Política Externa

Argo (filme) Ben Affleck de Ben Affleck, Alan Arkin, John Goodman

por em 01/04/2013
Argo (filme) Ben Affleck

É perfeitamente justificada a acolhida que o filme Argo[1] (2012) recebeu do público e da crítica, premiado em diferentes ocasiões, inclusive com o Oscar de melhor filme do ano. Ben Affleck, seu protagonista, e que dirige o filme, já foi sondado para perseguir uma carreira política.

O filme retrata um Irã em ebulição com a chegada ao poder do Aiatolá Khomeini depois da destituição da Reza Pahlavi que havia pedido asilo nos Estados Unidos para tratamento de saúde. As manifestações de rua exigem que o ex-governante volte ao país para ser julgado e por detrás dessa demanda está justificada a invasão da Embaixada norte-americana em Teerã em 04 de novembro de 1979, foi feita por militantes islâmicos e estudantes iranianos.

A crise dos reféns do Irã gerou conflito diplomático entre os dois países devido à detenção de 52 norte-americanos prisioneiros durante 444 dias. A situação se agravou, pois após sucessivas tentativas de resolver o impasse pela via diplomática, o presidente Jimmy Carter autoriza militares norte-americanos a tentarem o resgate, com a “Operação Eagle Claw” em janeiro de 1981.

Fracasso total, com a destruição de duas aeronaves, morte de oito soldados americanos e um civil iraniano. Os reféns só foram libertados mais tarde já com o presidente Ronald Reagan no poder, com o Acordo de Argel, em janeiro de 1981. Atribui-se entre outras razões a derrota de Jimmy Carter nas eleições presidenciais à operação de resgate. Dali em diante, as relações entre os dois países foram sempre difíceis e mais recentemente agravadas pela questão nuclear e consequentes sansões econômicas que foram impostas ao Irã.

No entanto, se esse episódio é um triste capítulo na história militar norte-americana, o filme Argo mostra um episódio pouco conhecido que foi a fuga de 6 funcionários da Embaixada, antes da invasão, que haviam se refugiado na residência do embaixador do Canadá.

A CIA estuda meio de resgatá-los e Tony Mendez (Ben Affleck) concebe um plano de resgate através de uma equipe de produção de um filme de ficção científica chamado Argo.

Evidentemente, o filme dramatiza todo processo de preparação e fuga, sem, no entanto, desviar-se da história que realmente é bem concebida e executada.

Apesar de ter característica de um filme de ação, Argo é uma película com forte matiz política, ressaltando na origem a difícil relação entre Estados Unidos e Irã.

Como não podia deixar de ser, a repercussão do filme em Teerã é assunto para acalorado debate político (cópias piratas do vídeo circulam e se constituem no maior sucesso).

O debate interno, que obviamente afeta o orgulho nacional, extravasa a questão da fuga, trazendo a discussão à respeito dos méritos da invasão que alguns iranianos representativos classificam como erro colossal.

Recentemente, um cineasta iraniano disse pretender responder a Argo com a versão iraniana do resgate. No entanto, creio que o tempo irá demonstrar e caracterizar que a invasão da Embaixada e a violência que a antecedeu deixaram sequelas muito negativas na relação entre os dois países e para outros países da região e que até hoje perduram.

Notas

[1] Filme de Ben Affleck, com Ben Affleck, Alan Arkin, John Goodman, 2012.

Esta matéria faz parte do volume 21 nº4 da revista Política Externa
Volume 21 nº 4 - Abr/Mai/Jun 2013 Responsabilidade de Proteger - Visões de Alemanha, Brasil, Canadá e França

Desafios da Responsabilidade de Proteger

Ver detalhes desta edição
Voltar Topo

Comentários

EDIÇÃO ATUAL - VOL. 24 Nº 1 e 2
Vol. 24 nº 1 e 2 - jul/dez 2015 jul/dez - 2015 O Histórico Acordo de Viena O Acordo de Viena sobre o projeto nuclear iraniano evitou as consequências trágicas da hipótese de o Irã, país inserido na região mais tensa do mundo, obter armamento nuclear.
Mais Política Externa