Política Externa

O G-7/G-8 na perspectiva do Brasil

por em 30/06/2007

Apartir da Cúpula de Evian, em 2003, cinco grandes países emergentes (Brasil, África do Sul, China, Índia e México) passaram a ser convidados para os diálogos do G-8. A atual agenda da presidência alemã é analisar conjuntamente a evolução da economia mundial e coordenar políticas nacionais para corrigir desequilíbrios e distorções que afetam sua estabilidade e crescimento, agregando dimensões sociais, ambientais e de eficiência energética e intensificando o diálogo com os países emergentes. Os laços históricos, culturais e políticos que unem o Brasil aos países do G-8 propiciam um clima de confiança que facilita esse diálogo expandido; espera-se que ele evolua para um “diálogo estruturado” que possa avançar nas negociações sobre as grandes questões da agenda econômica e financeira global entre os países mais representativos de ambos os lados da equação do poder mundial.

Departing from the origins of the G-7/G-8 process, this brief essay examines its recent propensity for dialogue with other countries from the “developing world”. It focuses on the characteristics of the German presidency and on the G-7/G-8 “expanded dialogue” with the so-called “Outreach 5”: Brazil, Mexico, South Africa, China and India. Brazil’s policies towards the Group are described and analysed in the light of the country’s overall foreign policy objectives. The conclusion is that, in spite of the worthy efforts of the German presidency, the “expanded dialogue” has not yet evolved into an “expanded negotiation” over the main topics of the global agenda. Expectations after Heiligendamm, however, point to the possibility that a “structured dialogue” be established between the G-7/G-8 and the “Outreach 5”, giving way to some sort of “structured negotiation” between the two sides on a horizontal – as opposed to a top down – basis. This scenario could engender operational convergences among developed and developing countries capable of positively influencing the global agenda.

Para continuar lendo esta matéria é necessário ser assinante da Política Externa

Já sou assinante Faça a sua assinatura
Esta matéria faz parte do volume 16 nº1 da revista Política Externa
Volume 16 nº 1 - Jun/Jul/Ago 2007 O Desafio do Meio Ambiente

A questão ambiental e o futuro da humanidade

Ver detalhes desta edição Assine o acervo
Voltar Topo

Comentários