Política Externa

Armas de destruição em massa – riscos e oportunidades

por em 08/06/2004

Com o fim da Guerra Fria, o mundo deparou-se com um processo de dispersão e fragmentação das armas de destruição em massa. Marcos Azambuja analisa os paradoxos a que as negociações sobre desarmamento e controle de armamentos estão expostas e aponta para a urgência de novas idéias e iniciativas para um mundo mais seguro.

Para continuar lendo esta matéria é necessário ser assinante da Política Externa

Já sou assinante Faça a sua assinatura
Esta matéria faz parte do volume 13 nº1 da revista Política Externa
Volume 13 nº 1 - jun/jul/ago 2004 A radicalização das tensões globais: armas, etnias, terrorismo, Estado

Soberania, segredo, Estado democrático

Ver detalhes desta edição Assine o acervo
Voltar Topo

Comentários