Política Externa

A vez e a hora da diplomacia no Oriente Médio

por em 18/11/2015
A vez e a hora da diplomacia no Oriente Médio

O Acordo de Viena, sobre o programa nuclear iraniano, ilustra a separação entre os que defendem uma solução pacífica negociada sobre o programa nuclear iraniano e os que somente confiam em uma ação armada para submeter Teerã às decisões a serem impostas, em última análise pelos Estados Unidos e por Israel. Este artigo discorre sobre os antecedentes próximos e remotos do programa nuclear iraniano e seus efeitos sobre as relações de Teerã com sua vizinhança e com Washington e Tel Aviv. Igualmente trata da incerteza sobre o futuro do acordo, a ser definido pelo Congresso americano e testado pelo cumprimento de seus termos, ao longo do tempo, por todas as partes envolvidas.

The Vienna Agreement has illustrated the separation between those who advocate a peaceful negotiated solution on the Iranian nuclear program and those that only rely on an armed action in order to submit Tehran to the decisions ultimately imposed by the United States and Israel. This article discusses the near and remote background of the Iran's nuclear program and its effects on the relations between Tehran and its main adversaries at Middle East, Washington and Tel Aviv. It also discourses on the uncertainty about the future of this nuclear deal, that depends on the American Congress approval and on the compliance with its terms, over time, by all parts involved in it.

Para continuar lendo esta matéria é necessário ser assinante da Política Externa

Já sou assinante Faça a sua assinatura
Esta matéria faz parte do volume 24 nº1 e 2 da revista Política Externa
Volume 24 nº 1 e 2 - jul/dez 2015 O Histórico Acordo de Viena

O Acordo de Viena sobre o projeto nuclear iraniano evitou as consequências trágicas da hipótese de o Irã, país inserido na região mais tensa do mundo, obter armamento nuclear.

Ver detalhes desta edição Assine o acervo Adquira esta edição
Voltar Topo

Comentários