Política Externa

A sobriedade de ambições do presidente Hollande

por em 09/06/2012

Várias observações podem ser feitas sobre a recente eleição que consagrou François Hollande como presidente da França: em primeiro lugar, o “Gaullismo” já é hoje apenas parte da história, e Jacques Chirac terá sido o último mandatário que cresceu à sombra do general; o Partido Comunista representa apenas uma fração de sua antiga presença e não se observa mais, com a mesma clareza, a antiga clivagem entre esquerda e direita. As causas que hoje de fato mobilizam a França parecem ser o conjunto de problemas relacionados com a imigração e com a preservação da identidade nacional; as exigências com a proteção de uma sociedade que continuará a ter na agricultura e no campo uma de suas principais bases; as questões relacionadas com a seguridade social e a proteção de direitos adquiridos e consolidados ao longo das últimas décadas. Hollande irá proteger o agronegócio de seu país da competição brasileira, apoiar as mui- tas empresas francesas aqui implantadas, trabalhar para que finalmente o Brasil se decida a comprar aviões de caça e outro equipamento militar avançado de fornece- dores franceses, além de abençoar o intercâmbio cultural e artístico que é tão intenso e tão espontâneo entre nós e os

Nobody expects from the Socialist François Hollande, the new President of France, as much as was expected from his predecessor François Mitterrand,  the first Socialist President  of the Fifth Republic, elected in 1981, who promised to radically change French politics, European policies and the international  order. Hollande’s modest ambitions will surely avoid the repetition of Mitterrand’s frustrating two initial years in power. Among many possible observations about Hollande’s election, it is possible to say that Gaullism is over in French politics, that the Communist Party represents now only a tiny fraction of it historically did and that the split between left and right in France is not as clear as it had been for decades.

Para continuar lendo esta matéria é necessário ser assinante da Política Externa

Já sou assinante Faça a sua assinatura
Esta matéria faz parte do volume 21 nº1 da revista Política Externa
Volume 21 nº 1 - Jun/Jul/Ago 2012 Eleições 2012

Cinco países natural e historicamente importantes para a agenda externa brasileira mudam de presidente neste ano de 2012. França, Rússia, México, EUA e Venezuela

Ver detalhes desta edição Assine o acervo
Voltar Topo

Comentários