Política Externa

Os programas nucleares da Coréia do Norte, do Irã e suas conseqüências

por em 10/06/2006

Embora o fim da guerra fria tenha reduzido de forma drástica a possibilidade de uma confrontação nuclear catastrófica em escala global, o mau uso da energia atômica continua no alto da agenda internacional. AAIEA sofre de severa atrofia. As negociações não são paritárias e universais, havendo dualidade entre os que têm e os que não têm, os que podem e os que não podem. As assimetrias e as desigualdades intrínsecas ao TNP têm enfraquecido sua eficácia e legitimidade, não obstante os seus aspectos positivos. As potências nucleares não têm cumprido seus compromissos para com a eliminação progressiva de seus arsenais, o que aumenta o descontentamento dos países não-nucleares. A aparente determinação do Irã em ser uma potência nuclear baseia- se no papel para o qual se sente legitimado na região, pelo ressentimento contra Israel e porque receia um ataque futuro desse país e dos EUA. Mas a turbulência do Oriente Médio, as paixões fundamentalistas e os interesses contraditórios das grandes potências podem transformar essa situação numa crise de grandes proporções.

Although a catastrophic nuclear clash between super powers is no longer in the agenda, proliferation of such weapons remains a very real threat as does its acquisition by non-state actors. Some thirty thousand nuclear weapons remains in different degrees of deployment and the risk that nuclear groups may acquire one of them is a very real possibility. The NPT is in a quandary and India and Pakistan have become full-fledged nuclear powers. Two critical situations are those of immediate and urgent concern: the possibility that North-Korea and Iran acquire such weapons and destabilize their respective geographical areas. Disarmament efforts must be renewed on a multilateral level and the United States must live up to its commitments and responsibilities.

Para continuar lendo esta matéria é necessário ser assinante da Política Externa

Já sou assinante Faça a sua assinatura
Esta matéria faz parte do volume 15 nº1 da revista Política Externa
Volume 15 nº 1 - Jun/Jul/Ago 2006 Os Paradoxos da China

Potência global emergente: vulnerabilidades, tensões e desafios

Ver detalhes desta edição Assine o acervo
Voltar Topo

Comentários